Opinion Shakers Headline Animator

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Homenagem a uma Artista - Marianela de Vasconcelos

Não podia deixar de mencionar aqui, no meu "terço espaço" a minha homenagem também a uma mulher, artista, escritora, "opinion maker", que tive o privilégio de privar profissionalmente, colaborando na paginação de uma da suas obras "Sentido Inverso" o qual tem um autógrafo personalizado e uma dedicatória à minha pessoa, que guardo religiosamente na minha mini biblioteca. Adorei conhece-la Marianela, obrigada pelos ensinamentos e até sempre, esteja lá onde estiver, mas o seu bom-humor e simpatia estará sempre presente. Obrigado.

Marianela de Vasconcelos, falecida no verão de 2007, vai ser homenageada através de uma exposição retrospectiva que vai estar patente na Galeria de Arte do Convento Espírito Santo, em Loulé, entre 14 de Fevereiro e 28 de Março.


A exposição é composta por quadros da pintora, alguns textos escritos por Marianela de Vasconcelos, entre os quais artigos de jornais, poemas, contos e crónicas. Também podem ser vistas algumas colecções de postais e fotografias de Marianela de Vasconcelos, bem como quadros de alguns alunos da escola de pintura que Marianela de Vasconcelos dirigia, o “Happycentro”.

Em exibição, nos claustros da Galeria, vai estar um slide-show de curta duração sobre a vida de Marianela de Vasconcelos, que vai funcionar em continuo durante toda a exposição.

No âmbito desta iniciativa de homenagem à artista vão decorrer várias actividades, entre as quais o lançamento da fotobiografia “Marianela de Vasconcelos – Um Olhar a Cores”, apresentada pelo jornalista Carlos Pinto Coelho, no dia de inauguração da exposição. Está prevista também uma conferência de imprensa, na sala documental do Castelo de Loulé, durante a apresentação da obra artística de Marianela de Vasconcelos, e a representação teatral de textos de Marianela de Vasconcelos pelo Teatro Análise de Loulé da Casa da Cultura.

De referir que, durante a inauguração e nos restantes dias da exposição, algumas obras de Marianela de Vasconcelos vão estar à venda. Os interessados poderão adquirir obras originais, reproduções de alguns dos seus quadros, fotobiografia, livros e postais, cujas receitas revertem a favor do Lions Clube de Loulé e do Fundo de Manutenção da Obra Artística de Marianela de Vasconcelos.

A exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 9 às 17:30 horas, e ao sábado, das 10 às 15 horas.

Artista dos sete ofícios

A artista plástica, escritora e jornalista Marianela de Vasconcelos nasceu em 1945, em Pessegueiro do Vouga. Aos três anos foi viver para Lisboa onde passou grande parte de sua vida, até aos 45 anos.

Marianela dançou ballet, pelo Teatro São Luís, e praticou ginástica aplicada, pelo Ginásio Clube Português, desde criança, vindo mais tarde a interromper ambas actividades devido a problemas cardíacos diagnosticados depois da adolescência.

Desde a adolescência que Marianela ganhou atenção pública pelo seu talento na escrita de poemas, muitos publicados na imprensa diária e não-diária e transmitidos na antiga Emissora Nacional, no programa coordenado pela escritora Odette Saint-Maurice.

Iniciada em cursos de artes plásticas durante a frequência do liceu, Marianela teve trabalhos distinguidos em desenho e baixo-relevo. Mas foi só aos 40 anos que frequentou o curso de Pintura da Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa.

Licenciou-se em Filologia Germânica pela Universidade de Lisboa. Também obteve diplomas em Inglês (Cambridge University), Italiano (Instituto di Cultura Italiana in Portogallo) e alemão (Deutche Institut). Enquanto estudante universitária coordenou o programa da rádio universitária “Nova Musa”, onde poemas escritos por estudantes universitários eram transmitidos.

Em 1986, o manuscrito do livro “O Romance Possível” foi distinguido com o Prémio Literário do Círculo de Leitores, com recomendação para publicação. Em 1988, “O Romance Possível” foi publicado. Ainda em 1988, os “Contos da Idade do Riso” ganhou o Prémio Literário Cidade da Amadora.

Depois de recuperar da segunda intervenção cirúrgica de sua vida, em 1989, Marianela mudou-se para o Algarve, com os seus dois filhos adolescentes, para se juntar ao seu marido.

No Algarve, dedicou-se, quase a tempo inteiro à pintura, apesar de, como jornalista free-lancer, ter continuado a escrever para jornais e revistas locais e nacionais.

Em 1990, Marianela é convidada pela Câmara Municipal de Sever do Vouga a expor individualmente o seu trabalho, constituído maioritariamente por aguarelas. De 1990 a 2007, Marianela de Vasconcelos apresentou a sua pintura em mais de meia centena de exposições, individuais e colectivas, em Portugal e no estrangeiro.

“Sentido Inverso”, desta vez de poemas, é o seu terceiro e último livro, lançado em 1993.

Dado o seu fascínio pela pintura, em 1999, Marianela começou o Happycentro, escola de pintura a crianças e adultos, portugueses e estrangeiros, no seu atelier em casa. Consequentemente, apresentou várias exposições colectivas juntamente com as obras de seus alunos.

A partir da década de 90, Marianela foi membro activo da Associação Inglesa de Pintores (SAA), Associação Ibérica de Artistas Plásticos (AIAPS), Associação Nacional de Artistas Plásticos (ANAP), Associação Cultural SOL XXI e Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

5 comentários:

ssebastiao disse...

Desculpa Carlos, mas não validarei o teu comentário naquele post!
Referir-me-ei em breve a este evento, como já pretendia fazer, e então linkarei o teu completo e bom texto sobre a Marianela... Está bem assim?

Carlos Carmo disse...

Ok Amigo Almeida.
Abraço.

Ricardo Tomás disse...

Boa homenagem, amigo Carlos!
Abraço

Å®t Øf £övë disse...

Carlos,
Há realmente pessoas que se cruzam na nossa vida quase por acaso, e que nos marcam para sempre. Parece que foi este o caso, e talvez por isso esta homenagem seja completamente merecida.
Abraço.

Vanessa disse...

Estive lá. Para mim foi uma homenagem emotiva e especial. Lembro-me dela em Lamprina, Santa-Clara a velha. Escrita fascinate, alucinante, divertida, pinturas profundas que dizem mais do que aquilo que representam.

Uma homenagem muito merecida
Beijo*